Fala, 303!

sexta-feira, outubro 13, 2006

Sobreviventes de sexta-feira 13!

Vei ... hj foram tiradas do meu cel 14 fotos da turma ... estou postando as melhores para vc poderem adquiri-las e comentarem (não esqueçam!). Tem duas fotos da galera e mais as fotos dos nossos felizes colegas de sala, com suas alegrias, POP's! Diego tb estava chuuuupandoPOP! Ele escondeu! Abraços galera!

sábado, setembro 30, 2006

O Internetês e o Word

Trabalho de grupo apresentado à disciplina Leitura e Produção de Textos do Curso de Ciência da Computação da UNIFACS.

Para ver o filme, clicar aqui.

ou:
http://www.youtube.com/watch?v=GlMMa5i6raA




Postado como pedido.


_________________________________

Agora ...

Comercial do IE 7.0

Espero que gostem...

domingo, setembro 03, 2006

A Quem Possa Interessar,

Alguns dizem que a vida é um jogo, outros que é um desafio, e há quem diga que a vida é uma dádiva. Bom, de todas as comparações eu sempre preferi uma que poucas pessoas costumam usar, a de que a vida é uma guerra. Uma guerra insana, cruel e muitas vezes até covarde. Uma guerra tanto de combate corporal quanto psicológico onde as missões a serem cumpridas são as armas mais importantes para se garantir a vitória... ou o sucesso, como queiram.

Desde cedo temos que cumprir estas missões: colégio; cursos; testes; mulheres; vestibular e muitas outras. Em todas, sem exceção, é preciso vencer mesmo que com algum atraso. Minhas missões nunca foram bem sucedidas. É como se depois de falhar por muitas vezes alguém mexesse os pauzinhos para o retardatário poder prosseguir. Não sei explicar o “por que” mas parece que eu estava predestinado a desistir antes mesmo de começar. Desistir para mim sempre foi a saída mais prática.

Depois de uma batalha, seja ela dura, sofrida, branda ou tranqüila, quando o resultado é a vitória a recompensa é um pacote repleto de animo, energia renovada, coragem para seguir em frente e vontade, acima de tudo vontade. Contudo, quando o resultado é a derrota o pacote vem vazio, o cansaço e a apatia se estabelecem e a vontade... não há mas vontade. Agora imagine isso multiplicado por várias e várias batalhas perdidas durante toda uma vida.

Não sou covarde, lutei muitas vezes como ninguém jamais o faria, com raça, gana e vontade pra dar e vender. Todavia, o resultado, mesmo depois de um esforço sobre-humano, continuava o mesmo. Eu via outros como eu vencendo suas batalhas, comemorando vitórias inesquecíveis. Mas e eu... porque eu não conseguia ter êxito nas minhas missões? Nunca consegui responder essa pergunta e como não me sobrava mais nenhuma recompensa das pouquíssimas batalhas vencidas, comecei a desistir.

A partir daí sempre que surgia um problema ou um obstáculo na minha vida eu tinha a saída perfeita, era só desistir, existe coisa mais prática e simples para se resolver um problema do que desistir dele? Eu não sabia, mas fazendo isso eu estava desistindo de mim. E foi isso que aconteceu, eu desisti de mim. Mas não só de mim, de minha família, de meus amigos, de ver o mar, de ter um filho, de ser promovido, em fim, desisti da vida. É isso mesmo, eu desertei, a guerra pra mim acabou. Chega de batalhas, chega de ter que estar sempre provando alguma coisa.

Nesse mundo não há mas nada reservado para mim, não vou embora dele agora mesmo por que existe uma ultima coisa que tenho que fazer. Até cumprir esse objetivo eu continuo na minha jornada solitária pelo desfiladeiro dos soldados desertores. Para aqueles que ficam e permanecem guerreando, eu desejo vitórias. Vitórias são importantíssimas, sem elas não há recompensas, sem recompensas não há vontade e sem vontade não há soldado. Como ultimo conselho: não desista jamais, aconteça o que acontecer, sob nenhuma circunstancia, em hipótese alguma desista.

sexta-feira, setembro 01, 2006

Em construção

Entrar na universidade é um marco na vida da pessoa, pois ela descobre que o seu futuro só depende dela mesma. Para os mais jovens, é uma experiência bastante válida, pois ela começa a relacionar-se com pessoas diferentes do que é de seu costume. Diferentes culturas,crenças entre as pessoas, complementam o aprendizado para a vida.

Primeiro dia de aula quase sempre é difícil. As pessoas não se conhecem e a timidez não os deixa interagir no primeiro encontro. Aos poucos tudo vai se resolvendo, e os que têm mais afinidade vão formando um laço de amizade, que podem ser mantidas por toda vida.

Durante o curso há uma troca de sabedoria, entre colegas, dá-se início na escolha da vertente na qual vai seguir dentro do curso, e outros descobrem que aquilo não é o que desejavam.

Não adianta enfrentar esta fase com a “barriga” é necessário dedicar-se para que possa colher os frutos adiante. A formação intelectual é indispensável na vida da pessoa e chegando ao término do curso, a pessoa desenvolveu suas “asas” e está na hora de alçar vôo.